Google+
sábado , 24 junho 2017
3 mitos sobre o agachamento livre

3 mitos sobre o agachamento livre (e porque você deve abandoná-los)

Hoje falaremos sobre um exercício que deveria constar, quase que invariavelmente, no treino de qualquer pessoa: o Agachamento Livre.  Um dos exercícios mais importantes dentre os chamados exercícios básicos (E por “básico”, não entenda como “simples”, e sim como “de base”, “fundamental”), por conta da sua exigência em termos de quantidade de unidades motoras envolvidas, bem como boa condição músculo-esquelética (articulações e ligamentos saudáveis e músculos flexíveis) e também bom preparo cardio-vascular (sim, uma boa série de agachamento vai exigir tanto do seu pulmão quanto uma prova de 100 metros rasos)

Focaremos nos aspectos técnicos envolvidos na execução do agachamento, e principalmente, em crenças e ensinamentos que nos são passados no dia a dia da academia a muito tempo. Crenças criadas pelo senso comum, e passadas adiante sem que haja maior questionamento acerca delas (que vergonha, colegas!). Ficar preso à esses 3 “mitos” limitará consideravelmente seus resultados. Então, sem mais delongas, mãos à obra:

Agachamento 90 graus
Um dos mitos mais antigos sobre o agachamento é o de que deveríamos limitar a execução a apenas 90 graus de amplitude do joelho, por questões de segurança. Acreditava-se que flexionar o joelho em ângulos maiores do que 90º levaria a um aumento demasiado na tensão sobre a patela. Essa crença, porém, leva em conta somente o trabalho do quadríceps durante o agachamento, desconsiderando que, em amplitudes maiores, o trabalho da musculatura posterior da coxa entra em ação, de forma a neutralizar consideravelmente essa tensão na patela.  Por consequência, na prática, a realidade é exatamente o contrário do que se acredita, sendo o agachamento parcial potencialmente mais lesivo do que o completo. Então já sabe, na dúvida: Desce mais um pouco!! (Em tempo: o trabalho do glúteo também é aumentado à medida que se usam amplitudes maiores. Acho que essa informação muito lhes interessa, não é meninas?!)

Largura do Ombro como referência para a base
Outra crença quase dogmática no ambiente da academia é a de que deveríamos posicionar os pés no chão usando a largura dos ombros como base para a execução do exercício. Esse não chega a ser um mito, apenas uma “meia-verdade”. A largura do ombro pode ser um referencial para a sua base, desde que a sua estrutura corporal propicie isso.

Leia também: 4 perguntas que você deve fazer a si mesmo antes de começar a suplementar

Mas como sabemos, cada pessoa é diferente, e há de se respeitar o Princípio da Individualidade Biológica. Na prática, o que devemos levar em conta? Simples. A largura da base deve ser ampla o suficiente para propiciar a amplitude completa do movimento. Essa “medida” só será encontrada fazendo. Sim, na base do bom e velho método da “tentativa e erro”. Como sempre digo: Teorizem menos e façam mais. (Spoiler: Pessoas mais altas, magras e longilíneas se dão melhor com uma base larga, quase um agachamento sumô, enquanto endomorfos tendem a se adaptar a bases curtas. MAS NOVAMENTE, é apenas uma tendência, não uma regra.)

Progressão na Máquina Smith
Há um senso comum em torno do agachamento de que ele seria um movimento “complexo”, havendo a necessidade de uma adaptação gradativa para a execução do mesmo de forma livre. E aí entraria a Máquina Smith, que, por ser uma barra guiada, propiciaria maior segurança e melhor “aprendizado” do movimento.

Vamos desmembrar essa afirmação para compreender melhor porque ela não se sustenta. Pra começar, o treino agachamentoagachamento não é um movimento “complexo”, e sim, um movimento natural e fundamental do ser humano. Todo mundo nasce sabendo agachar, a gente só “esquece” com o tempo pela falta de prática. Tá aí o bebê na foto ao lado que não me deixa mentir. Em segundo lugar, a máquina Smith não é 100% segura, e algumas são, inclusive, bastante desconfortáveis, podendo ter uma estrutura muito pesada, oferecerem um atrito muito grande entre barra e máquina (tirando a fluência do movimento) e exigir esforço demasiado da lombar. Isso deve-se a variação de uma marca para outra, material utilizado, biomecânica inadequada aplicada, etc. (Em tempo: Com uma simples barra e anilhas, isso nunca acontece)

Por fim, o aprendizado progressivo é uma ilusão, pois se você “aprende” um movimento natural em uma estrutura artificial, basicamente quando passar para a forma livre, terá que re-aprender ele, pra perder os vícios adquiridos na máquina.Perda de tempo (logo… sim, isso mesmo, de dinheiro também).

Que fique claro: não condeno o uso da máquina, tampouco afirmo que ela é inútil. Há diversas variações possíveis de ser utilizadas nela de forma bastante eficiente. Porém, aprender a agachar nela não é uma delas. Mitos devidamente derrubados, agora é hora de botar em prática. Então bora lá, barra nas costas, e até semana que vem!

Michel Silva

Confira também

copa panambi volei

Nesse domingo Panambi realiza mais um grande evento esportivo

16 EQUIPES CONFIRMADAS, MAIS DE 190 ATLETAS! Neste domingo acontece em Panambi a 1º Copa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *