Google+
sexta-feira , 15 dezembro 2017

Você se move graças ao sistema locomotor, saiba como ele funciona.

sistema-locomotorMarcha é como cientificamente é chamada a locomoção humana. É uma tarefa motora que envolve um padrão complexo de contrações musculares em diversos segmentos do corpo. Mais precisamente, a marcha pode ser vista como o deslocamento do centro de gravidade do corpo através do espaço com o menor consumo de energia possível. Segundo a fisioterapeuta Kalina Keller, para que a marcha possa ser realizada dentro dos padrões considerados normais, é necessário que quatro critérios estejam em harmonia: A integridade músculo esquelética, o controle neurológico, o equilíbrio e a locomoção.

A integridade músculo esquelética, explica Kalina, é todo o sistema que inclui ossos, músculos e articulações, e que devem estar em perfeito estado físico e integrados entre si.  Quando temos algum desgaste nas articulações de quadril, joelho e tornozelo, ou alguma contratura muscular, ruptura de ligamento, etc, isso nos impede uma marcha perfeita, ou seja, nos causa dificuldade ao caminhar.

Já o controle neurológico é quando o comando cerebral e a resposta muscular estão em sintonia e sem nenhuma condição patológica, assim, como a propriocepção* do indivíduo e os estímulos visuais, vestibulares, auditivos, sensitivos e motores. Significa que a nossa capacidade de caminhar é comandada pelo cérebro e pela ativação que ele promove nos nossos músculos. “Por exemplo, quando temos um AVC, temos uma lesão no cérebro que impossibilita que ele faça a ativação dos músculos no lado oposto ao da lesão e isso provoca que a pessoa tenha dificuldade ou até impossibilidade de caminhar”, explica.

O equilíbrio é capacidade de o indivíduo assumir e manter ortostatismo*, ou seja, de ficar em pé sem cair. E, a locomoção é a capacidade de iniciar e manter um movimento.

Por que em situações de risco nosso corpo demonstra mais força?

A resposta, explica Kalina, está na chamada reação de luta e fuga. Segundo ela, na presença de estímulos ameaçadores, sendo eles reais ou mesmo imaginários, há ativação do sistema nervoso autônomo, mais precisamente o sistema nervoso simpático, responsável pela liberação de substâncias importantes para que o organismo escolha entre a luta ou a fuga do estímulo ameaçador.

Essa resposta de estresse, aparentemente ruim e temida pelas pessoas, é responsável pela manutenção da vida e é extremamente essencial ao nosso organismo.Segundo Kalina, graças ao medo, ao estado de atenção, evitamos várias situações que colocariam nossa vida em risco. “Todo estímulo ameaçador é captado por uma área de nosso cérebro responsável pelas respostas emocionais”, diz.

As principais reações de nosso corpo observadas são:

  • Aumento da secreção de adrenalina;
  • Aumento da atividade cerebral;
  • Aumento da concentração de glicose no sangue, faz com que a energia disponível para todas as células do corpo tenha um acréscimo;
  • Aumento da atividade do músculo miocárdio (atividade cardíaca), vasodilatação das coronárias e vasoconstrição dos vasos sanguíneos periféricos, aumentando dessa forma a circulação e a pressão sanguínea;
  • Aumento do aporte de energia para os músculos esqueléticos, necessários para correr ou enfrentar o perigo;
  • Aumento da atividade das glândulas sudoríparas, causando maior transpiração;
  • Redução da atividade peristáltica no intestino grosso, o que aumenta a forma a captação de nutrientes que antes seriam excretados e que agora serão essenciais para o fornecimento de energia;
  • Dilatação dos brônquios, para se ter maior captação de oxigênio e melhorando a capacidade respiratória, essencial para a situação de luta e fuga;
  • Dilatação da pupila, para captar mais, para que o organismo possa enxergar melhor;“Através de todas essas alterações que ocorrem no nosso organismo é que em situações de estresse de medo, conseguimos correr mais rápido que o normal, temos mais fôlego e mais força que o normal. Nosso corpo é muito inteligente, sabe exatamente o que precisamos em cada momento e nos protege. Desta forma, sempre temos que buscar conhecê-lo, entendê-lo para poder cuidar melhor de quem instintivamente já nos protege! Só conhecendo o nosso corpo é que somos capazes de, realmente, nos cuidar”, finaliza Kalina.

*O ortostatismo corresponde ao trabalho de, gradativamente, levar uma pessoa a ficar na posição vertical, ou seja, em pé. A elevação deve ser gradativa, para que o corpo de uma pessoa se adapte a esta nova posição, evitando que sua pressão arterial caia e provoque tonturas e/ou náuseas, chegando até a um desmaio. Seus benefícios envolvem tanto a parte psicológica como a física.

*Propriocepção ou cinestesia é o termo utilizado para nomear a capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. Este tipo específico de percepção permite a manutenção do equilíbrio postural  e a realização de diversas atividades práticas.

Confira também

DICA PAIS E FILHOS: Atenção, as crianças absorvem tudo!

Dra. Estela Giordani Uma famosa pedagoga italiana, Maria Montessori, escreveu o livro “Mente Absorvente”, vou falar …

ENXAQUECA nunca mais! Vem aí um remédio específico para combater as crises

Se você sofre de enxaqueca sabe, essas dores são terríveis. Mas calma, vem aí um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *