Google+
sábado , 19 agosto 2017

Equilíbrio entre emoção, mente, espírito e físico

Terapia holísticaAliviar a tensão, reduzir o estresse, controle emocional e mental são apenas alguns dos benefícios que a terapia holística pode proporcionar aos pacientes.

Segundo a terapeuta holística, Juliane Gering, trata-se da busca por restaurar o equilíbrio. Ela abarca todos os tratamentos de saúde não convencionais, que entendam o ser humano como um todo, formado de vários aspectos: espiritual, energético, mental, emocional e físico. Qualquer agressão a um determinado aspecto causará um desequilíbrio a todo o sistema, pois eles estão intimamente associados, afetando-se continuamente. Há milênios a medicina oriental vem afirmando que estados emocionais persistentemente desequilibrados são causadores de doenças físicas. Hoje, a medicina ocidental já começa a aceitar esta realidade a partir dos fenômenos das doenças psicossomáticas, ou seja, patologias cujas origens não são orgânicas e sim emocionais.

O estresse, por exemplo, comum em nosso dia a dia, é caracterizado como um profundo esgotamento físico, mental e emocional. Uma das principais causas é o estilo de vida moderno, que exige uma intensa atividade mental. Se prolongado, o stress poderá desencadear diversas patologias físicas (pressão alta, alterações hormonais, enxaquecas, ganho ou perda de peso, etc.) ou emocionais (ansiedade, depressão, crises de pânico, entre outras). Assim como estados mentais e emocionais afetam o corpo, o inverso também ocorre. Como o hipotireoidismo que pode levar à depressão e a falta de vitaminas que provoca diminuição da memória e concentração.

O equilíbrio, palavra chave deste tratamento, gera benefícios à qualidade de vida, e permite desenvolver recursos pessoais para a obtenção de bem-estar, satisfação, motivação, tranquilidade, alegria e realização pessoal.

A terapia holística e a medicina convencional

Assim como a medicina convencional, a terapia holística busca a promoção da saúde. No entanto, ambas se diferem na abordagem utilizada. Enquanto a medicina procura controlar ou eliminar as doenças e seus sintomas, a terapia holística entende a própria doença como sintoma de um desequilíbrio mais profundo. Mesmo que cure a doença, se não tratar a sua causa, outras irão surgir.

Juliane alerta que nenhum terapeuta holístico profissional irá negar a importância da medicina convencional, tampouco orientar que o tratamento médico seja abandonado. “Pelo contrário! Se a pessoa necessita de acompanhamento médico é fundamental que ela siga o tratamento indicado. O tratamento holístico não exclui o tratamento médico, e podem ser seguidos simultaneamente”, ressalta.

Técnicas da terapia holística

Existe uma infinidade de linhas e técnicas, principalmente se considerarmos que ao longo da história as pessoas buscavam a cura de suas enfermidades somente por meio de formas naturais (ervas, alimentos, banhos e unguentos) ou místicas (com rituais, preces e cerimônias). Algumas das linhas utilizadas hoje em dia são milenares, como por exemplo, a medicina ayurvédica, o do-in, a medicina chinesa e a acupuntura. Outras são mais novas, como a terapia com florais e a mesa radiônica.

O tipo de intervenção também difere. Existem tratamentos onde ela é feita no corpo (como por exemplo, a massoterapia, a biodança e a reflexologia). Assim como há intervenções mais energéticas (que é o caso do reiki e da terapia com cristais). Há também, as abordagens emocionais, mentais, e até mesmo ambientais, que é o caso da geobiologia e do Feng Shui. “Optei por trabalhar com a psique mais profunda, usando técnicas como a hipnose e a regressão, pois entendo que o contato com o inconsciente é uma via imprescindível para o autoconhecimento e integração pessoal. O inconsciente é um universo vasto, com seus símbolos, arquétipos e  força a nos afetar profunda e continuamente, além de ser uma fonte de sabedoria e recursos”, cometa Juliane.

A hipnose na busca de respostas para a cura

O transe hipnótico é um estado modificado de consciência, onde a atenção se volta intensamente para o interior da pessoa, possibilitando que conteúdos inconscientes se tornem acessíveis pela consciência. “Experimentamos algumas formas de transe diariamente, quando, por exemplo, estamos tão absorvidos por nossos pensamentos que não notamos que alguém chegou ou saiu do nosso lado, ou quando estamos dirigindo nosso carro e chegamos ao nosso destino sem lembrar qual o trajeto que utilizamos. A hipnose é um procedimento no qual o profissional induz uma pessoa a esse estado de transe, onde podem ocorrer mudanças nas sensações, percepções, pensamentos e comportamentos”, esclarece a terapeuta.

O simples fato de se encontrar em transe hipnótico já é terapêutico: reduz imediatamente a ansiedade e o nervosismo. Promove um profundo relaxamento, reequilibra emoções, dissolve tensões acumuladas, alivia dores e desconfortos. Permite que conhecimentos e aprendizados passados se tornem conscientes e utilizáveis.

Juliane aplica a hipnose para acessar, trabalhar e integrar conteúdos inconscientes, pois, segundo ela, “possuímos uma fonte de recursos que pode ser utilizada no autoconhecimento e na autocura”.

A hipnoterapia tem se mostrado uma ferramenta funcional na melhora de quadros como depressão, ansiedade, compulsões, vícios, fobias, ansiedade, problemas de concentração, memória e autoestima. Contudo seus benefícios e aplicações não se limitam a isto. Entrar em contato com o mundo interior é uma experiência rica, pois possibilita acessar recursos, habilidades, força, conhecimentos e sabedoria que possuímos, mas que nem sempre achamos disponíveis em nossa mente consciente.

Confira também

comportamento, ciclo de vida, ética, moralidade, ordem, cultura, gênero.

O “X” do shortinho!

Após inúmeras discussões sobre o manifesto das meninas do colégio Anchieta na Capital do Estado, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *